Nas últimas semanas o interesse pelo Clubhouse, rede social baseada em conversas por voz, disparou. As buscas pelo app no Google cresceram 525% em uma semana, segundo o próprio buscador.

Só no Brasil, as buscas pelo Clubhouse saltou 525% entre 30 de janeiro e 6 de fevereiro, na comparação com a semana anterior.

Mas afinal, o que é Clubhouse?

É nada mais, nada menos que a nova rede social de voz.

 O app foi criado por Rohan Seth, ex-funcionário do Google, e por Paul Davidson, empresário do Vale do Silício.

Em uma publicação no blog oficial, os fundadores contam que se conheceram em 2011 por meio de um amigo em comum e experimentaram várias ideias até chegar ao que viria a ser o Clubhouse.

O app foi lançado em março de 2020, mas o uso disparou no início desse ano.

Exclusivo para iPhones – Porque?? A explicação é que no mundo todo o sistema Android tem muito mais usuários que o sistema IOS. Se estão testando uma nova plataforma, que terá ajustes com certeza, melhor testar no menor.

 E porque é  limitado para pessoas com convite? 

É isso mesmo, você só pode entrar se for convidado por alguém e cada membro tem direito a dois convidados. Você pode baixar o app, fazer um pré-cadastro e entrar numa lista de espera. O app envia para seus contatos que já estão na rede uma notificação dizendo que você está na espera. Eles podem liberá-lo sem usar convite. 

ATENÇÃO: Quando você entra em uma sala ou evento do Clubhouse como “speaker”, seu microfone está automaticamente ligado, o que pode render alguns micos. 

Meu conselho: desliga rápido ou pensa bem no que fala! 

E então como FUNCIONAAA?

Cada perfil tem uma foto, uma bio, o número de seguidores, seguidos e o nome da pessoa que te convidou.

Você seleciona interesses e pode seguir clubes, recebendo notificações de eventos ou conversas que sigam estes critérios.  Você entra  e sai a qualquer momento usando a função leave quietly.

Os Speakers ficam no primeiro bloco da tela, seguidos pelos “seguidos pelos speakers” – e se você estiver nesta categoria, é só levantar a mão e ser convidado para falar. 

A última categoria é “outros na sala”.

O limite para ouvintes é de 5 mil pessoas simultâneas, não há opção de gravar conversas, e elas não ficam armazenadas dentro da plataforma – com exceção de quando um usuário relata algum abuso dos termos de uso, segundo o app.

Alguns eventos são públicos outros fechados e invite-only

O mercado ainda discute como a rede funciona e como pode ser usada para negócios ou marketing. 

Falando em Marketing, mais uma vez a qualidade do conteúdo vai ser fundamental para o sucesso. 

Segundo alguns especialistas o Clubhouse tem um grande potencial, mas as grandes plataformas devem continuar sendo WhatsApp e Instagram. 

Uma outra questão é a banda larga. Assim como Instagram, o clubhouse requer um consumo de banda muito alto (20MG por 10minutos)o que pode dificultar. 

Qual é o desafio? Fazer com que produtores de conteúdo e moderadores entendam o seu funcionamento, ou seja, entrar em uma sala do seu interesse e ficar o maior tempo nela ou em salas do seu interesse.

O que eu penso do Clubhouse?

A rede me parece um podcast aberto.

A parte mais bacana dessa nova rede social é que você pode ter acesso a pessoas que você não teria de outra forma. Então, não tem limite de palco e plateia, todos são bem vindos a participar (dentro dos limites da plataforma) e todo mundo consegue ouvir o assunto que está sendo discutido.

Outra coisa que diferencia o Clubhouse de outras redes sociais é que, depois de entrar em uma sala, não precisar olhar a tela para participar. Você pode estar fazendo outras coisas enquanto interage com o app.

O fato de ser somente voz atrai muita gente, pois não precisa maquiagem ou filtro e para os mais tímidos fica fácil discutir de forma aberta e franca coisas realmente importantes e de seus interesses.

Quer saber mais? Há muito o que se falar! Deixa seu comentário ou sua dúvida ou me chama em uma sala Clubhouse, porque eu já estou lá.

Claudia Flehr

Compartilhe essa postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

2